quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

TIROTEIO EM ESCOLA DOS ESTADOS UNIDOS


Tiroteio em escola dos Estados Unidos deixa 17 mortos


Ex-aluno abriu fogo em uma escola em Parkland, na Flórida e foi preso. Há feridos em estado grave. O consulado brasileiro em Miami informou que há alunos brasileiros na escola, mas nenhum entre os feridos e vítimas

Pelo menos 17 pessoas morreram ontem, na Flórida, em tiroteio ocorrido numa escola nos Estados Unidos, o 18º somente neste ano em colégios do país, em um massacre atribuído ao ex-aluno Nikolas Cruz, de 19 anos. O atentado foi informado à polícia por volta de 15h dessa quarta-feira no horário local (18h no horário brasileiro de verão).


O jovem, que foi preso após o massacre, é relatado por colegas como um aluno problemático e que foi expulso da escola por motivos disciplinares. O atirador tinha várias fotos com armas e facas nas redes sociais.  

Scott Israel, xerife do condado de Broward, afirmou que Cruz realizou o massacre armado com um rifle semiautomático e com vários carregadores em seu poder. 

O jovem, explicou Israel, foi detido sem apresentar resistência quando foi confrontado pelos agentes nas cercanias do centro, localizado em uma região com grande presença de moradores latino-americanos.  

O xerife afirmou que o jovem disparou justamente quando os estudantes deixavam o colégio, onde as equipes de policiais de elite da SWAT ainda trabalham para assegurar a segurança da área, depois que os cerca de 3 mil alunos da escola foram retirados do local. 

Imagens no vídeo da AFP (veja vídeo acima) mostram diversas pessoas correndo e deixando o prédio, com a ajuda da polícia e de equipes de socorro.  O FBI e a polícia estão investigando quais foram as motivações para o ataque.

O xerife também afirmou que os investigadores estão analisando as páginas na internet que o jovem visitava, bem como suas redes sociais e o que encontraram até o momento é "muito assustador". 

Mortos e feridos O chefe da polícia disse aos jornalistas que pelo menos 12 das vítimas foram assassinadas dentro da escola, enquanto outros três morreram no exterior e outras duas faleceram no hospital.  

Durante entrevista coletiva, o governador da Flórida, Rick Scott, e a procuradora-geral do estado, Pam Bondi, afirmaram que o governo estadual cobrirá todas as despesas funerárias e tratamento para os sobreviventes. 

"Isto é puro e absolutamente diabólico", disse o governador, que evitou as perguntas dos jornalistas sobre uma lei mais rigorosa em relação as armas. 

Nessa mesma entrevista coletiva, Israel revelou que 12 dos mortos já foram identificados e que estão notificando seus familiares.   

O xerife disse que no momento do incidente nem todas as vítimas carregavam suas identidades ou telefones celulares e acrescentou que até que todos os parentes não sejam informados, seus nomes não serão divulgados.

O incidente aconteceu na escola Marjory Stoneman Douglas de Parkland, cidade no sul do estado da Flórida, entre Boca Ratón e Fort Lauderdale. Ambulâncias, caminhões de bombeiros e vários carros de polícia foram ao local. 

Fontes do Hospital Broward Health North disseram que três dos feridos estão internados em estado crítico, enquanto outros seguem estáveis e estão sendo operados. 

Depois de ser preso, Nikolas Cruz foi transportado para o mesmo hospital e em seguida ao escritório do xerife de Broward para ser interrogado. 

Vídeos publicados nas redes sociais mostram estudantes da escola se protegendo, enquanto vários disparos são ouvidos, com que se presume ser de uma arma semiautomática e veículos de imprensa locais apontam que poderia se tratar de um rifle AR-15. 

Este tiroteio aconteceu no Dia de São Valentim, que tradicionalmente é celebrado nas escolas dos EUA como uma data da amizade entre colegas de classes e professores. 

O jornal "iami Herald entrevistou Jim Gard, um professor de matemática da escola, que revelou que os docentes e pessoal administrativo foram advertidos no ano passado que o ex-estudante constituía uma ameaça e não deveria ser autorizado a entrar na instituição com uma mochila.

"Houve problemas com ele no ano passado ameaçando estudantes, e acho que pediram para que abandonasse o campus", disse Gard, versão confirmada pelo xerife, afirmando que o jovem foi expulso por razões disciplinares. 

Colegas do suspeito declararam à mídia local que Cruz "assustava às vezes", pois em algumas ocasiões levava várias armas mostrava aos outros alunos. 

No entanto, Robert Runcie, superintendente do sistema escolar de Broward, disse à imprensa desconhecer que houvesse relatos sobre comportamento alarmante do jovem, que pela sua idade podia comprar armas de fogo legalmente na Flórida. 

Runcie acrescentou que o colégio permanecerá fechado o restante da semana e será oferecido orientação aos familiares das vítimas e sobreviventes. 

De acordo com a apuração do Everytown for Gun Safety, um grupo que defende um maior controle na venda de armas, neste ano foram registrados 18 tiroteios em centros educativos dos EUA, em dez dos quais tiveram registros de mortos ou feridos. Desde 2013, o número subiu para 291 episódios deste tipo em centros de ensino. 

Este tipo de fato, como o ocorrido na escola Sandy Hook, em Newtown, no estado de Connecticut, onde morreram 20 crianças e seis adultos em dezembro de 2012, gerou uma onda de pedidos para que se aprovem leis para conseguir um maior controle na venda de armas. 

Mas o Congresso, controlado pelos republicanos, acabou bloqueando uma proposta para instaurar um sistema de verificação de antecedentes e impedir que as armas chegassem aos criminosos ou doentes mentais.

O presidente Donald Trump lamentou o "terrível" tiroteio e disse que "nenhuma criança, professor e mais ninguém deveria jamais se sentir inseguro em uma escola americana".

Alarme
Um alarme de incêndio foi disparado por volta das 14h30 (horário local), pouco antes do final das aulas, e os tiros começaram em seguida. Um aluno, que não foi identificado, disse à emissora local WSVN 7 que na aula ouviram "o alarme de incêndio e todos pensamos que era um exercício. Mas já tínhamos feito esse exercício, então não levamos o aviso a sério".

A jovem Jeiella Dodoo disse, por sua vez, que também ouviu o alarme contra incêndios e que o grupo começou a sair da escola. "Escutei uns seis disparos, e todo mundo começou a correr".
 A escola tem cerca de 3 mil alunos de várias nacionalidades. O consulado brasileiro em Miami informou que há alunos brasileiros na escola, mas nenhum entre os feridos e vítimas.  (Com agências)

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

DIGA NÃO PARA AS DROGAS !


ESCOLA PROTEGIDA


MALALA


EDUCACIONAL


BRADO CONSULTORIA


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


CRIANÇA SEGURA


ÁREA ESCOLAR DE SEGURANÇA


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


PATROCINADO


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


BUSCAMOS PARCEIROS


LOGUS


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


ENCONTRO PROFISSIONAL NO ABC


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


AVISO AOS PAIS


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


OBSERVATÓRIO DE SEGURANÇA ESCOLAR - TEL. 11 98834 9838


quarta-feira, 25 de outubro de 2017

CONTATO


VIOLÊNCIA NA ESCOLA


TIROS EM GOIÂNIA



TIROS EM GOIÂNIA


TRAGÉDIA EM ESCOLA

Por Jordan Campos
Sim, um adolescente matou dois colegas de escola com uma arma de fogo. Sim, pessoas desinformadas e com a ajuda da mídia espalham que o bullying foi o motivo. Não, não foi este o motivo. E vou aqui explicar um pouco sobre tudo isto.

Sou pai de quatro filhos, psicoterapeuta clínico de crianças, jovens e adultos e discordo completamente da “desculpa esfarrapada” desta pseudo-versão dos fatos. Bullying é o resultado de um abuso persistente na forma de violência física ou psicológica a uma outra pessoa. Bullying não é a piada sem graça, a ofensa solta ou uma provocação por conta do odor resultante da falta de desodorante por quatro dias, que foi exatamente o “caso” do adolescente que matou seus colegas. O motivo pelo qual o jovem assassinou seus colegas é um conjunto de fatores na formação de sua personalidade sob responsabilidade de seus pais.

O GATILHO que deu o start em seu plano de matar pode ter surgido da provocação de seus colegas, sim. Foi uma reação desmedida, autoritária, perversa e calculada a um conflito em que ele se viu inserido. A falta de preparo emocional e educacional deste jovem para lidar com frustrações é o ponto alto deste simples quebra-cabeças. Quando somos colocados frente a um conflito, ou o enfrentamos, ou fugimos ou paralisamos. As vítimas de bullying costumam paralisar e passam anos no gerúndio do próprio verbo que identifica este problema. Bullying é uma ressaca, um trauma no gerúndio, que vai minando as forças, destruindo a autoestima e a identidade frágil de suas vítimas.

No caso do adolescente em questão ele não teve tempo de ser vítima de bullying, ele simplesmente enfrentou a provocação de ser chamado de fedorento com base em sua formação de personalidade, filosofia de vida, exemplos e criação, reagindo. Colegas de sala disseram que ele era adorador do nazismo, cultuava coisas satânicas e quando provocado dizia que seus pais, que são policiais, iriam matar os provocadores se ele pedisse!!!! BINGO!!!!

NÃO FOI BULLYING - Por mais espantoso que possa ser, desculpem mídia e pseudo-sábios filósofos contemporâneos - o garoto matou porque tinha na sua formação de personalidade uma espécie de autorização para fazer! A identidade deste jovem de 14 anos estava formada em um alicerce que permitia isso. Ele provavelmente iria fazer isso logo logo... Na escola, com o vizinho, na briga de trânsito ou com a namorada que terminasse com ele, e isso nada tem a ver com Bullying. A provocação foi apenas o motivo para “fazer o que já se era.”

Agora, falando do Bullying, digo sem pestanejar que o maior culpado pela sedimentação do bullying e suas prováveis repercussões não são os coleguinhas “maldosos”, e sim a FAMÍLIA de quem sofre este tipo de ação. Se quem sofresse bullying fosse um potencial assassino a humanidade estava extinta. Mata-se muito por traições, brigas de trânsito, desavenças de trabalho, machismo, homofobia... Mas não por Bullying. Do contrário - é muito mais provável um suicídio, depressão, implosão.

O que faz com que alguém resista ou não a uma ação que pode virar bullying? Simples – a capacidade do jovem em lidar com frustrações e aprender a enfrentar seus problemas e conflitos. Esta é a maior prevenção ao bullying – aprender a vencer frustrações se submetendo a elas de forma sadia e com orientação. Aprender a respeitar os pais e a vida. Ter lições diárias de cidadania, direitos humanos - mas o mais importante - passar por frustrações e ter apoio dos pais, sem lamentar e encontrar culpados e sim crescer forte entendendo que neste mundo não podemos ter o controle das coisas.

Pais, ensinem seus filhos a respeitarem vocês e aos outros. Sei que muitos de vocês estão cheio de carências, desesperados em relações funcionais fúteis, e projetando em seus filhos o amor que não tiveram de quem acham que deveriam ter. Negligenciam assim o respeito e querem ser amados - isso contribui para fazer jovens fracos, deprimidos, ansiosos, confusos e vítimas fáceis para o bullying. Lembrem-se: só se ama e se valoriza o que se aprende a respeitar!

Obs: Este texto foi feito com base em informações disponíveis na imprensa e pela polícia até então. Não é um exame, avaliação ou diagnóstico psicoterapeutico, e sim considerações em tese, de cunho geral de muitos anos atendendo jovens como profissional do comportamento.

Por Jordan Campos
www.jordancampos.com.br    


                   

sábado, 14 de outubro de 2017

BLOG DO NOBLAT- VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS

Violência nas escolas

Alguns dos problemas enfrentados pela educação brasileira estão nas dificuldades impostas por conteúdos pouco atraentes, na ausência de material didático adequado, na infraestrutura insuficiente, nos planos de carreira docente desestimuladores e nos poucos incentivos à atividade de magistério.
Entretanto, também defrontamo-nos agora com o crescimento exacerbado dos índices de violência, que vem provocando danos irreparáveis ao ambiente escolar.
A violência é influenciada por diversos fatores, entre eles o espaço no qual a escola está inserida, a má utilização da comunicação, algumas regras de disciplina incompatíveis com os tempos atuais e o nível de atraso dos estudantes.
O baixo rendimento escolar, por exemplo, leva alguns estudantes à agressão verbal, ou física, aos seus professores, e também à depredações, em muitos casos das próprias instalações escolares.
Os casos de bullying, que constituem uma forma de violência moral entre os próprios estudantes, são muito frequentes em grande parte das escolas e se avolumaram com o crescimento das redes sociais.
Segundo dados obtidos a partir dos questionários aplicados na Prova Brasil, mais da metade dos professores, diretores e funcionários das escolas públicas relatam casos de violência, alguns contra eles.
A ausência de acompanhamento pela família também favorece o aumento das situações de conflito nas escolas.
Entre os estudantes, a violência aparece com índices preocupantes, pois mais de 70% dos professores e diretores reportam ter presenciado agressão física entre alunos. A situação extrema de furtos e roubos aos professores e gestores também foi constatada em diversas escolas.
Um estudo da UNESCO mostrou que atualmente a sala de aula não garante ao estudante mais segurança do que a rua, tanto em escolas públicas como nas escolas particulares.
Hoje em dia, diretores, professores, funcionários administrativos e alunos são obrigados a conviver com fatos que passaram a fazer parte do cotidiano de alguns dos nossos maiores centros urbanos, como a posse ilegal de armas e o tráfico de drogas.
Na semana que passou, o tema foi discutido numa reunião do Fundo das Nações Unidas para a Infância (a UNICEF).  Nessa reunião, foi divulgado que, no primeiro semestre letivo de 2017, na Cidade do Rio de Janeiro, somente foi possível abrir todas as escolas em apenas 8 dias letivos, de um total de 107 dias, em função dos tiroteios.
A violência corre o risco de ser legitimada, quando aceita passivamente pelos governos.
A descontinuidade nas aulas e nas demais atividades que norteiam o processo de aprendizagem diminui o rendimento escolar.
Nas últimas semanas, por exemplo, sucessivos casos de estudantes atingidos por balas perdidas ocuparam as manchetes dos jornais, demonstrando a escalada da violência, notadamente nas regiões mais pobres do Rio de Janeiro. Resultado: aulas suspensas, afastamento das escolas, abandono de cursos, professores que desistem.
Evidentemente, a educação é prioridade para o desenvolvimento. Ela, entretanto, depende da consecução de outras políticas, entre as quais a de segurança pública que, em muitos casos tem sido relegada a planos secundários.
É urgente e indispensável a recuperação econômica do Rio de Janeiro, segundo maior produto interno bruto da federação, retomando-se a continuidade e o cumprimento do calendário de pagamentos dos salários aos servidores, o reaparelhamento dos órgãos de segurança, assegurando-se igualmente a oferta da assistência social e acompanhamento dos estudantes pelas famílias.

O GLOBO

ROUBO DE CARRO DE PROFESSOR EM MANAUS



Manaus – Um professor, que não teve o nome divulgado, teve o carro roubado no momento em que saía do estacionamento da Escola Municipal São Judas Tadeu, no quilômetro 12 da BR-174, na tarde desta quarta-feira (23). A informação foi confirmada pelo comandante da 20ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), capitão Lucio Landim.
Conforme a polícia, o roubo ocorreu por volta das 13h50. Os suspeitos armados renderam o professor logo após ele tentar entrar no carro, modelo Corsa Classic, de placas não divulgadas. Em seguida, eles fugiram sem ser identificados. De acordo com o capitão, apenas o carro foi levado.
Ainda segundo a polícia, os homens suspeitos estiveram por várias vezes na Escola Municipal Padre Calleri, no Km 14 da mesma rodovia. No local, de acordo com a PM, os suspeitos ficam nas proximidades da unidade observando a rotina dos alunos e do corpo docente.
Em nota, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) confirmou que, no início da tarde desta quarta-feira, foi furtado um carro do estacionamento da unidade de ensino.
A Semed informou, ainda, que a Divisão Distrital Zonal Rural (DDZ Rural), responsável por escolas da área, acionou a Polícia Militar e o Centro de Operações de Segurança Escolar (Cose). A Secretaria disse, também, que as imagens das câmeras serão cedidas à polícia para auxiliar nas investigações.


PREVENÇÃO À VIOLÊNCIA E GARANTIA DA LEI E DA ORDEM


Nesse mês de agosto, a Guarda Civil Municipal de Barreiras esta comemorando 15 anos de serviço público. Empossados em 2002, o efetivo é de 150 guardas civis, que atuam diariamente na segurança do patrimônio público e trânsito, proporcionando também ações de prevenção à violência nas escolas e manutenção da ordem em espaços públicos.
Para apresentar o trabalho que vem sendo desenvolvido na comunidade, a Secretaria de Segurança Cidadã e o Comando da GCM realizaram nas escolas municipais Otavio Mangabeira, Luiz Viana e Padre Vieira um bate papo com os estudantes do 5º ao 9º ano, apresentando o serviço da corporação e medidas preventivas contra a violência, delitos e venda de drogas nas proximidades de escolas.

Conforme o comandante da GCM, Gilmar Rodrigues, esta é uma maneira de transmitir diretamente a mensagem aos adolescentes. “Utilizando essa linguagem facilitada e direta, conseguimos cativar os alunos e explicar sobre o que realmente é importante, como prevenção a drogas, violência e comportamentos inadequados dentro das escolas. Essa ação da GCM também, se estenderá aos pais, diretores e professores, para que a conscientização chegue ao cotidiano da comunidade escolar”, ressaltou.
Para o Secretário de Segurança Cidadã e Trânsito, Luiz Vidal, essas palestras comemorativas contribuem não só para a conscientização dos estudantes em relação à violência, mas também para a preservação dos espaços escolares e manutenção da ordem nesses locais. “Esse trabalho de aproximação da GCM com os estudantes, professores e comunidade escolar é essencial. Temos realizado o patrulhamento escolar e conseguido coibir furtos, roubos e depredação do patrimônio público, e nosso trabalho vai continuar sendo intensificado”, ressaltou o secretário.
Na próxima semana, a programação comemorativa contará com a realização do circuito funcional “Amigos da Guarda” e a solenidade de homenagem aos 15 anos de serviço público que acontecerá no Centro Cultural.


RELATO DE UMA MÃE - ESCOLA DO DISTRITO FEDERAL



A escola tem aproximadamente 600 alunos entre 6 e 11 anos, distribuídos em dois turnos, e nenhum vigilante ou porteiro durante o dia. Beatriz conta que, por causa dos assaltos recorrentes, os professores compraram, com recursos próprios, um interfone com câmera e instalaram no portão da instituição. 

 

ESCOLA PROTEGIDA 360 GRAUS